Um frio de dor
Cai no meu coração,
Estranheza, torpor,
Outono e livor
Da Sensação.
 
Sem razão oprime
Meu peito esta □
Parece de um crime
Que nada redime
O remorder.

Sufoco na alma,
Não tenho onde ponha
Uma ideia calma
Foi-se-me arisca alma
Com que se sonha.

25 - 2 - 1920

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar