Caem-nos tristes e lassos
      Os nossos braços...
Que fazer, ó meu amor
Ó que alegrias tão dor!
Que cansaço tão cansaços!

Um dia de cinza. Chama
      Por mim. Que ama,
Quando se conhece e sente?
Sentir-se é estar doente.

27 - 2 - 1913

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar