Com medo de o perder, nomeio o mundo,
Seus quantos e qualidades, seus objectos,
E assim durmo sonoro no profundo
Poço de astros anónimos e quietos.

Nomeei as coisas e fiquei contente:
Prendi a frase ao texto do universo.
Quem escuta ao meu peito ainda lá sente,
Em cada pausa e pulsação, um verso.

14 - 9 - 1959

In O Verbo e a Morte
Vitorino Nemésio
NOMEIO O MUNDO
« Voltar