Não das águas do mar, mas destas outras,
Dos lentos remoinhos, onde as fõlhas
Desprendidas e mortas se balouçam;
Do irisado gás gorgolejante,
Que o respirar do lodo vai soltando,
É que a vida dos homens se formou
De sombra e de mistério amalgamada

Na vastidão do mar nasceram deuses:
Somos frutos da lama, água turvada.


In Os Poemas Possíveis
José Saramago
« Voltar