Meu coração feito palhaço,
Já caiu do trapézio ao chão...
Riu dele quem o fez palhaço
E o fez dar o trambolhão...
Também quem mandou ser palhaço
Meu pobre e triste coração?...

Meu coração, boneco feio,
Foi parar a quem o partiu...
Também, se era um boneco feio
E se bem via quem o viu
Como não o achariam feio?
Quem o partiu bem o serviu...

Meu coração, roda quebrada
Do carro de cartão do amor,
Está para ali, no meio da estrada...
Que coisa tola p'ra ali o pôr!
Mas p'ra que é uma roda quebrada?...
E o meu coração é melhor?...

1 - 3 - 1920

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar