À beira de que mar
Nos encontrámos já?
Corrias a apanhar
Conchas à beira-mar.

Eu vi-te e não te amei,
Não me amaste, também...
Então porque é que eu sei
Que à beira-mar te amei?

Dá-me as mãos. Sei bem
Que já te tive as mãos
Nas minhas. Houve alguém
Connosco então? E quem?

Pudera! O coração
Conhece mais que nós
Quando virá o perdão
Ao nosso amor de então?

4 - 6 - 1914

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar