Quanta incerta esperana, quanto engano!
Quanto viver de falsos pensamentos,
pois todos vo fazer seus fundamentos
s no mesmo em que est seu prprio dano!

Na incerta vida estribam de um humano;
do crdito a palavras que so ventos;
choram depois as horas e os momentos
que riram com mais gosto em todo o ano.

No haja em aparncias confianas;
entende que o viver de emprestado;
que o de que vive o mundo so mudanas.

Mudai, pois, o sentido e o cuidado,
somente amando aquelas esperanas
que duram pera sempre com o amado.

Luís Vaz de Camões
[QUANTA INCERTA ESPERANÇA QUANTO ENGANO!]
Voltar