Quietas, fiéis, na velha quinta alheia
As bicas deixam águas vir descer
Para o tanque onde a água se enxameia
Da luz e sombra que o dossel faz ser.
Dossel de verbenas numa larga teia
O cansaço de não poder querer.


[1934]

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar