contaram-me depois
que ele mantém o remoto costume de se abrigar dentro dos pomares
as árvores estão ali continuamente pesadas de frutos
como nos sonhos
imutáveis dilatam raízes caules soberbos
até fenderem as águas cativas nas argilas
durante a noite
tocam com a clorofila dos inumeráveis dedos vegetais
o dorso rugoso dalgum peixe alado
aprendera tudo isto não se sabe bem de quem
nem quando... um dia inesperadamente refloresceu
as escamas húmidas do corpo tremendo
os membros apetrechados com delicadas unhas ósseas
o silente corpo aberto às sementes e ao arado

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar