Que estrela é que me desperta
de noite pela calada
para ver se eu tenho aberta
a porta da madrugada.

Que estrela é que se insinua
sob a minha roupa branca
a descobrir que estou nua
com um mistério na anca.

Que estrela é que me constrange
a abandonar o pudor
na minha cama que range
sob o teu corpo inventor.

Que estrela é que me persegue
me incita a rasar as casas
com um gavião ao leme
duas gaivotas nas asas.

Que estrela é que me compele
ao cheiro da maresia
e me faz sentir na pele
os dedos da poesia.

Estrela d'alva não de amante
toda de seiva e perfume.
Estrela do mar do meu sangue
com cinco pontas de lume.


In As Pequenas Palavras
Rosa Lobato de Faria
[QUE ESTRELA É QUE ME DESPERTA]
« Voltar