A onda torce na areia —
Manto verde, orla de prata
Um som de regresso ondeia

Na sonolência, e desata
Laços no meu pensamento
Que o prendem à sensação
E fico neste momento
Sentindo sem coração,

Imponderável sonhando
Com que pousa de leve
No corpo deitado, e brando
Canto. □ atreve.

E a orla da onda enrola
Meu já pequeno sentir
E o leve canto se evola
Sem que eu mesmo o possa ouvir.

Na hora externa onde o mar crava
Dedos casuais na areia
E aqui o □ destrava
E □ 

 

21 - 8 - 1921

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar