Para além do porto
Há só o amplo mar...
Mar eterno absorto
No seu murmurar...

Que amargo o estar
Aqui, meu amor...
Olho o mar a ondear
E um ligeiro1 pavor

Toma em mim a cor
De desejar ter
Qualquer cousa melhor
Que quanto é viver...


[1913]

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar