Onde acharei lugar to apartado
e to isento em tudo da ventura,
que, no digo eu de humana criatura,
mas nem de feras seja frequentado?

Algum bosque medonho e carregado,
ou selva solitria, triste e escura,
sem fonte clara ou plcida verdura,
enfim, lugar conforme a meu cuidado?

Porque ali, nas entranhas dos penedos,
em vida morto, sepultado em vida,
me queixe copiosa e livremente;

que pois a minha pena sem medida,
ali triste serei em dias ledos
e dias tristes me faro contente.

Luís Vaz de Camões
[ONDE ACHAREI LUGAR TÃO APARTADO]
Voltar