Lábios que pousam e que entreabertos
Escutam palavras do coração...
Assim dentro dos olhos, mão
Consciente sobre o sofá, madeixa caída
Ligeiramente

P’ra quê, se o sonho é melhor que a vida?

26 - 2 - 1917

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar