Tem-me, senhora, como servidor,
Tu que, de Vénus, reténs a beleza
Num gesto natural, encantador,
Com toda a eloquência da pureza.

Teu braço sensível, tão doce, incensou
O amor da beleza em minh’alma, tal
Que teria dado o melhor do que sou
Por esse teu gesto meigo e natural.

Génio e beleza e o que vem perturbar
Vida e Amor em sua luz mais bela,
Tudo inconsciente, fora do pensar;

E até tu, senhora, podes no saber
Como esse gesto foi p’ra mim a estrela
Que guiou meu barco no mar do sofrer.

1907

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar