Isto que pergunta: «Quem?» 
e me falta sob as palavras 
é o que me falta também onde 
o coração verdadeiro falta? 

A voz que fala, 
a minha verdadeira voz de alguém, 
é o silêncio que em 
isto se cala? 

E eu, ou quem? 
O de mim, as palavras, 
os gestos, o espaço? 

Onde me pesas, cansaço? 
Voz, a quem me falas? 
Coração, sombras, de quem? 


In POESIA REUNIDA , Assírio & Alvim, 2001
Manuel António Pina
« Voltar