Que mais que um ludo ou jogo é a extensa vida,
Em que nos distraímos de outra coisa —
      Que coisa, não sabemos —;
Livres porque brincamos se jogamos,
Presos porque tem regras cada jogo;
      Inconscientemente?
Feliz o a quem surge a consciência
Do jogo, mas não toda, e essa dele
      Em a saber perder.
27 - 10 - 1932

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[QUE MAIS QUE UM LUDO OU JOGO É A EXTENSA VIDA]]
« Voltar