Por mais que a alma ande no amplo enorme,
A ti, seu lar anterior, do fundo1
Da emoção regressa, ó Cristo, e dorme
Nos braços cujo amor é o fim do mundo.
26 - 6 - 1929

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar