MOTE ALHEIO

Caterina bem promete...
Eram, como ela mente!

VOLTAS PRPRIAS

Caterina mais fermosa
para mim que a luz do dia;
mas mais fermosa seria
se no fosse mentirosa.
Hoje a vejo piadosa,
amanh to diferente
que sempre cuido que mente.

Caterina me mentiu
muitas vezes, sem ter lei;
mas todas lhe perdoei
por ũa s que cumpriu.
Se, como me consentiu
falar, o mais me consente,
nunca mais direi que mente.

M, mentirosa, malvada,
dizei: para que mentis?
Prometeis, e no cumpris.
Pois, sem cumprir, tudo nada,
No sois bem aconselhada;
que quem promete, se mente,
o que perde no no sente.

Jurou-me aquela cadela
de vir pela alma que tinha.
Enganou-me: tem a minha;
d-lhe pouco de perd-la.
A vida gasto aps ela
porque ma d, se promete;
mas tira-ma, quando mente.

Tudo vos consentiria
quanto quissseis fazer,
se esse vosso prometer
fosse por me ter um dia;
todo ento me desfaria
convosco; e vs, de contente,
zombareis de quem mente.

Prometeu-me ontem de vir,
nunca mais apareceu;
creio que no prometeu
seno s por me mentir.
Faz-me enfim chorar e rir:
rio, quando me promete;
mas choro, quando me mente.

Mas pois folgais de mentir,
prometendo de me ver,
eu vos deixo o prometer,
deixai-me vs o cumprir.
Haveis ento de sentir
quanto fica mais contente
o que cumpre que o que mente.

Luís Vaz de Camões
[CATERINA BEM PROMETE...]
Voltar