Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela?
 
Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.
 
Que angústia me enlaça?
Que amor não se explica?
É a vela que passa
Na noite que fica.
12 - 1924

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar