Quem com meu nome é obsceno nas paredes?
A sucessão das horas imprevistas
Não me traz novas das horas nunca vistas,
E os pescadores vão tirar as redes.

Mercê do ocaso, no mar calmo há paz,
Mas o cansaço que nos toma dói.
Vida do mar? Matinas do herói?
Quem me leva tudo isso, ou me lo traz?
 
Tinta entornada do poema sonho…
A ficção morta na estouvada mente,
E um pouco de fugaz e inconsequente
No seguimento paralítico do sonho...

31 - 5 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar