Dia aps dia a mesma vida a mesma.
      O que decorre, Ldia,
No que ns somos como em que no somos
      Igualmente decorre.
Colhido, o fruto deperece; e cai
      Nunca sendo colhido.
Igual o fado, quer o procuremos,
      Quer o speremos. Sorte
Hoje, Destino sempre, e nesta ou nessa
      Forma alheio e invencvel.
2 - 9 - 1923

In Poesia , Assrio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[DIA APÓS DIA A MESMA VIDA É A MESMA]]
Voltar