J calma nos deixou
sem flores as ribeiras graciosas;
j de todo secou
os cravos, lrios e as purpreas rosas;
fogem da calma grave os passarinhos
para o sombrio emparo de seus ninhos.

Meneia os altos freixos
a branda virao, de quando em quando,
e dentre vrios seixos,
o lquido cristal sai murmurando;
as gotas, que das alvas pedras saltam,
o prado, como prola, esmaltam.

Da caa j cansada,
busca a casta Titnia a espessura,
onde, a sombra deitada,
logre o doce repouso da verdura,
e sobre o seu cabelo crespo e louro
deixe cair o bosque o seu tesouro.

O Cu desimpedido
mostra o eterno lume das estrelas;
e de flores vestido,
ũas vermelhas, outras amarelas,
se mostra alegre o bosque, alegre o monte,
o rio, o arvoredo, o prado, a fonte.

Porque como o minino
que a Jpiter pola guia foi levado,
no cerco cristalino
foi do amador de Clcie visitado,
o bosque chorar, chorar a fonte,
o rio, o arvoredo, o prado, o monte.

O mar, que agora, brando,
das lindas Nereidas cortado,
se ir alevantando
todo, em crespas escumas empolado;
o soberbo furor do negro vento
far por toda a parte movimento.

Lei e da Natureza
mudar-se desta sorte o tempo leve;
suceder a beleza
da Primavera o fruto; calma, a neve;
e tornar outra vez, por certo fio,
Outono, Inverno, Primavera, Estio.

Tudo, enfim, faz mudana,
quanto o claro Sol v, quanto alumia;
nem se acha segurana
em tudo quanto alegra o belo dia;
mudam-se as condies, muda-se a idade,
a bonana, os estados e a vontade.

S a minha inimiga
a dura condio nunca mudou,
para que o mundo diga
que, nela, lei to certa se quebrou;
s ela em me no ver sempre est firme,
ou por fugir d'Amor, ou por fugir-me.

Mas j sofrvel fora
s ela em me matar mostrar firmeza,
se no achara agora
tambm em mim mudada a natureza;
pois sempre o corao tenho turbado,
sempre d'escuras nuvens rodeado.

Sempre exprimento os fios
que em contino receio Amor me manda;
sempre os dous caudais rios
que em meus olhos abriu quem nos seus anda,
correm, sem chegar nunca o Vero brando,
que tamanha aspereza v mudando.

O Sol, sereno e puro,
que no fermoso rosto resplandece,
envolto em manto escuro,
do triste esquecimento, no parece,
deixando em triste noite a triste vida,
que nunca de luz nova socorrida.

Porm seja o que for:
mude-se, por meu dano, a Natureza;
perca a constncia Amor;
a Fortuna inconstante ache firmeza;
e tudo se conjure contra mi,
mas eu firme estarei no que emprendi.

Luís Vaz de Camões
[JÁ CALMA NOS DEIXOU]
Voltar