Flores amo, não busco. Se aparecem
Me agrado ledo, que buscar’ prazeres
Tem o esforço da busca.
A vida seja como o sol, que é dado,
Nem arranquemos flores, que, tiradas,
      Não são nossas, mas mortas.
16 - 6 - 1932

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[FLORES AMO NÃO BUSCO. SE APARECEM]]
« Voltar