Ó curva do horizonte, quem te passa
Passa da vista, não de ser ou de ‘star.
Assim talvez a anónima desgraça
Chamada morte, saiba não mutar.

Na curva da consciência, se nos perde
A visão do que amamos, não o ser...

31 - 10 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar