MOTE

J no posso ser contente:
tenho a esperana perdida;
ando perdido entre a gente,
nem morro nem tenho vida.

GLOSA

Despois que meu cruel Fado
destruiu uma esperana
em que me vi levantado,
no mal fiquei sem mudana,
e do bem desesperado.
O corao, que isto sente,
sua dor no resiste,
porque v mui claramente
que pois nasci para triste,
j no posso ser contente.

Por isso, contentamentos,
fugi de quem vos despreza.
J fiz outros fundamentos,
j fiz senhora a tristeza
de todos meus pensamentos.
O menos que lhe entreguei
foi esta cansada vida:
cuido que nisto acertei
porque, de quanto esperei,
tenho a esperana perdida.

Acabar de me perder
fora j muito melhor:
tivera fim esta dor
que, no podendo mor ser,
cada vez a sinto mor.
De vs desejo esconder-me
(e de mi principalmente),
onde ningum possa ver-me;
que pois me ganho em perder-me,
ando perdido entre a gente.

Gostos de mudanas cheios,
no me busqueis, no vos quero;
tenho-vos por to alheios
que do bem, que no espero,
inda me ficam receios.
Em pena to sem medida,
em tormento to esquivo,
que morra ningum duvida.
Mas eu, se morro ou se vivo,
nem morro nem tenho vida.

 

Luís Vaz de Camões
[JÁ NÃO POSSO SER CONTENTE
Voltar