O tumulto concentrado da minha imaginação intelectual ... 

Fazer filhos à razão prática, como os crentes enérgicos... 

Minha juventude perpétua 
De viver as coisas pelo lado das sensações e não das responsabilidades. 
De □


(Álvaro de Campos, nascido no Algarve, educado por um tio-avô, padre,  que lhe instilou um certo amor às coisas clássicas…) (Veio para Lisboa muito novo ...) 

A capacidade de pensar o que sinto, que me distingue do homem vulgar  

Mais do que ele se distingue do macaco.  
(Sim, amanhã o homem vulgar talvez me leia e compreenda a substância do meu ser, 
Sim, admito-o, 
Mas o macaco já hoje sabe ler o homem vulgar e lhe compreende a substância do ser.) 
Se alguma coisa foi por que é que não é 
Ser não é ser? 
As flores do campo da minha infância, não as terei eternamente, 
Em outra maneira de ser? 
Perderei para sempre os afectos que tive, e até os afectos que pensei ter? 
Há algum que tenha a chave da porta do ser, que não tem porta, 
E me possa abrir com razões a inteligência do mundo?

□ espaço deixado em branco pelo autor


In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar