No meio da noite
Enquanto a dormir
Jaz tudo em meu torno
Sem eu o ouvir,

No meio da noite
Medito o que sou...
Às vezes o vento
Quando começou

De repente cessa
E é inútil ouvir
Pois tudo acabou
Sem se conseguir.

25 - 3 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar