Vs que, de olhos suaves e serenos,
com justa causa a vida cativais,
e que os outros cuidados condenais
por indevidos, baixos e pequenos;

se ainda do Amor domsticos venenos
nunca provastes, quero que saibais
que tanto mais o amor despois que amais,
quanto so mais as causas de ser menos.

E no cuide ningum que algum defeito,
quando na cousa amada se apresenta,
possa diminuir o amor perfeito.

Antes o dobra mais e, se atormenta,
pouco e pouco o desculpa o brando peito;
que Amor com seus contrairos se acrescenta.

 

Luís Vaz de Camões
[VÓS QUE DE OLHOS SUAVES E SERENOS]
Voltar