A outra dama, que estava tambm doente.

MOTE

Deu, Senhora, por sentena
Amor que fsseis doente
para fazerdes gente
doce e fermosa a doena.

VOLTAS

No sabendo Amor curar,
foi a doena fazer
fermosa para se ver,
doce para se passar.
Ento, vendo a diferena
que h de vs a toda a gente,
mandou que fsseis doente
para glria da doena.

E digo-vos, de verdade,
que a sade anda envejosa,
por ver estar to fermosa
em vs essa enfirmidade.
No faais logo detena,
Senhora, em estar doente,
porque adoecer a gente
com desejos da doena.

Que eu, por ter, fermosa Dama,
a doena que em vs vejo,
vos confesso, que desejo
de cair convosco em cama.
Se consentis que me vena
este mal, no houve gente
de sade to contente
como eu serei da doena.
 

Luís Vaz de Camões
[DEU SENHORA POR SENTENÇA]
Voltar