Ah, como eu quereria
Ser como aqueles em quem
A inspiração é já poesia
E a forma toda a alma tem!...

Meu mestre Camilo Pessanha!
Como sentias? Por que modo
O que em ti é matéria estranha
Era teu natural, teu todo?

Ninguém sabe. E teus versos são
Como o que passa no sonhar
E nem é bem uma visão
E nem é bem o despertar.

7 - 8 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar