O mar jaz; gemem em segredo os ventos  
        Em Eolo cativos;  
Só com as pontas do tridente as vastas  
       Águas franze Neptuno;  
E a praia é alva e cheia de pequenos  
       Brilhos sob o sol claro.  
Inutilmente parecemos grandes.  
       Nada, no alheio mundo,  
Nossa vista grandeza reconhece  
       Ou com razão nos serve.  
Se aqui de um manso mar meu fundo indício  
       Três ondas o apagam,  
Que me fará o mar que na atra praia  
       Ecoa de Saturno?  

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar