Essa mulher, a doce melancolia
dos seus ombros, canta.
O rumor
da sua voz entra-me pelo sono,
é muito antigo.
Traz o cheiro acidulado
da minha infância chapinhada ao sol.
O corpo leve quase de vidro.

In O peso da Sombra
Eugénio de Andrade
[ESSA MULHER A DOCE MELANCOLIA]
« Voltar