Quando sinto o que vai aparecer
Sentido já o é antes de o sentir.
Ouvir é já ouvido antes de ouvir.
E o Ver já vê, antes de eu ver.
        No que toco, em partes Alma e Eu —
A Alma com tudo o que é claro vivido
E eu a parte em sombra do sentido
Que me faz errar e chamar-lhe meu.
        O resto é saber porquê o pensar,
Que súbito vai sem nada explicado,
Qual mensageiro que parte a troçar
        Dita a mensagem sem nada dizer;
Como tendo a chave de papel cifrado
Escrito em língua que não saiba ler.

 


In POESIA INGLESA II , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 2000
Fernando Pessoa
« Voltar