A fatalidade,
Várias vezes,
No meu caminho aparece;
Mas,
Não consegue perturbar
A minha serenidade.

Somente,
No meu olhar,
Poisa e fica mais tristeza

Não me revolto,
Nem desespero.

-- Quero morrer em beleza.

 

     In Pequenas Esculturas


In As Canções de António Botto - Primeiro volume das obras completas
António Botto
« Voltar