Da noite extensa onde não vemos
      Surge um ‘splendor
(Pausam os barcos sobre os remos)
Vem dar verdade à fé que temos
O nosso Rei, nosso Senhor.

Não morreu na África perdida.
      Não pode ser
Que a Fé completa seja ida
Inda que vá a forma de a vida,
Pois acabar não é morrer.

Ele, o Senhor do intento erguido
      Alto na história
No plaino ardente foi caído
Como um □

25 - 6 - 1928

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar