O sol às casas, como a montes,
Vagamente doura.
Na cidade sem horizontes
Uma tristeza loura

Com a sombra da tarde desce
E um pouco dói
Porque quanto é tarde
Tudo quanto foi.

Nesta hora mais que em outra choro
O que perdi.
Em cinza e ouro o rememoro
E nunca o vi.

Felicidade por nascer,
Mágoa a acabar,
Ânsia de só aquilo ser
Que há-de ficar —

Sussurro sem que se ouça, palma
Da isenção.
Ó tarde, fica a noite, e alma
Tenha perdão.

25 - 12 - 1918

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar