O sonho que se opôs a que eu vivesse
A ‘sperança que não quis que eu acordasse,
O amor fictício que nunca era esse,
A glória eterna que velava a face...

Por onde eu, louco sem loucura, passe
Esse conjunto absurdo a teia tece...
E, por mais que o Destino me ajudasse,
Quero crer que o Deus dele me esquecesse.

Por isso sou o deportado, e a ilha
Com que, de natural e vegetável
A imaginação se maravilha.

Nem frutos tem nem água que é potável...
Do barco naufragado vê-se a quilha...

24 - 4 - 1928

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar