E de súbito desaba o silêncio.
É um silêncio sem ti,
sem álamos,
sem luas.

Só nas minhas mãos
oiço a música das tuas.


In Até Amanhã
Eugénio de Andrade
SEM TI
« Voltar