Boca bonita, quantos
Beijos cabem a quem
Te fita por seu bem
E por seu mal te fita?
Quantos, boca bonita?
 
Só por fitar-te não
Mas é por te fitar
Até com o coração.

Se isto de assim te ver
Não merece beijos, esse
Fitar □ merece
Ao menos merecer

Se não merece beijos
Este fitar-te assim
Ao menos (ai de mim!)
Merece merecer.
Boca bonita, quer?

Quem fitou ainda fita
E ainda eu que 'spere,
Quantos, boca bonita?

23 - 10 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar