Concluso a opalas e ametistas,
No fim de haver o fim de tudo,
Virei para o silêncio as vistas
Com que me fiz o nome e o escudo.

Depois ébrio da glória finda,
Senhor do incógnito lugar,
No dia se vai a noite finda,
Achei a chave por encontrar.

E junto ao infiel disfarce
Onde o silêncio se fechou,
Dei meu sossego ao que me nasce
Do coração que se apagou…

 

3 - 8 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar