Sob a  teia  de sombra   dos  galhos outonais,
passaram  crianças
guiando  na  aragem
a  outra  já   morta.


Não  era  a   mãe nenhuma  das  mulheres.
Falavam tranquilas;
quase não vivera,
tão  pequeno ainda.


E, rio acima, iam subindo barcos,
hora a  hora  menores,
na  distância  tão grande,
que alisava as águas.


In Coroa da Terra
Jorge de Sena
« Voltar