Na mente louca, salta sem parar
Uma ideia cruel, estranha e sinistra
Com um sentido além do que se teme —
Um palhaço em seu grotesco saltar;
E choro ao vê-lo, como uma criança
      Com lágrimas de adulto, em dor estreme.

Não há telhado, como não há chão;
Horror! E tudo fora do espaço!
Implacavelmente, vejo-o a pular! —
Há o palhaço e o mais é um vão,
Ele, incansável, para cima e para baixo —
      O palhaço em seu grotesco saltar.

Implacável, severa de mais para mim
Que procuro o que tudo quer dizer,
Esta visão sem espaço e a pular!
As pernas me esquecem, num pular assim.
Que terrível sentido pode ter —
      O palhaço em seu grotesco saltar?


1906

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar