Os Deuses dão a quem sofre
Só mais dor.
Guardam a esp’rança num cofre,
Dão ao cofre valor,

E depois levam-no p’ra fora
Da vista e da mão,
P’ra que chore a alma, que chora,
Chorar sempre em vão.

 

 

16 - 2 - 1920

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar