Se é mister a doença ou a desgraça
Para que a alma egoísta se convença
Do que outros sofrem, pela dura graça
Da própria dor sentida por que passa,
Venha a nós a desgraça ou a doença!

Se para que eu, ignaro e alegre, saiba
Que é meu irmão todo o que sofre e geme,
Venha a raiva depressa e que a dor caiba
Ao meu incerto espírito que treme!

30 - 9 - 1933

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar