Teu corpo está ali na noite calma
Perto, e eu dou-lhe um beijo
Com o mais forte imaginar do meu desejo
E teu corpo sabe-me a alma

Mas cala-se tudo. As superfícies dos entes
Ficam apenas ... Mera noite a sonhar.

Gera silêncio em luar calmo lago,
E quedam-se as florestas trevas ardentes
E a sombra de silêncios a peneirar.
O vago
Luar.


In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar