Quando os passados bens me representa
no mais secreto d'alma o pensamento,
que quanto mais o v, mais se atormenta;

tal forma tomam neste apartamento
que nada me d agora mais tristeza
que o que me dava mor contentamento.

E quanto tive a glria em mais largueza,
tanto maior agora a perda dela;
que onde o poder mor, mor a presa.

E, j se consentira a minha estrela
que tivera esperana de cobr-la
como tive receio de perd-la;

somente aquele alvio de esper-la
na fora do que quero sustentado,
me alcanara vigor para alcan-la.

Mas, segundo do tempo sou tratado,
bem posso recear que algum descuido
me roube o galardo de meu cuidado.

E quando aquela f que eu nunca mudo
no mor perigo seu melhor guardada,
a quem tudo entregou merece tudo;

ento dos belos olhos desprezada
com to pouca razo ser esquecida
com quanta deve sempre ser lembrada.

E se para isto s granjeio a vida,
muito melhor partido me seria
antes de mais perder, v-la perdida.

Porventura que assim descansaria;
e, metendo-me a vida em tanta afronta,
acharia na morte cortesia.

Nestes medos Amor meus bens desconta,
e no me vale a minha confiana,
que, se muito montou, nada j monta.

Cansa-me o tempo, cansa-me a tardana
com que ele corre, e a alma que trabalha,
quando ele tarda mais menos descansa.

Ento em vo suspiros vos espalha,
e qualquer bem que pode descans-la,
sempre amor lho atalhou, sempre lho atalha.

Pois se os males que passa acaso fala,
no tem parelha a dor dos que descobre
com o gro tormento dos que cala;

antes, quantos mais so, mais os encobre,
at que, para crecerem juntamente,
dobrando-se o segredo, o mal se dobre.

Porm como lhe lembra que o que sente
de l de vs lhe vem, nunca to triste
que logo isso no faa ser contente.

E como o seu bem todo em vs consiste,
convosco s se vale, a vs se acolhe,
que onde vs assistis s glria assiste.

L na luz desses olhos se recolhe,
onde com larga mo se lhe concede
quanto c juntamente se lhe tolhe.

Mas depois que forado que se arrede
outra vez de seus males combatida,
em vo se queixa, em vo mercs vos pede.

Assim passo uma ausncia to comprida;
e se ainda tenho vida desta sorte,
porque entende Amor que a prpria vida,
vivendo eu como vivo, mais que morte.

 

Luís Vaz de Camões
[QUANDO OS PASSADOS BENS ME REPRESENTA]
Voltar