Tomava Daliana por vingana
da culpa do pastor, que tanto amava,
casar com Gil vaqueiro; e em si vingava
o erro alheio e prfida esquivana.

A discrio segura, a confiana,
as rosas que seu rosto debuxava,
o descontentamento lhas secava,
que tudo muda ũa spera mudana.

Gentil planta disposta em seca terra,
lindo fruito de dura mo colhido,
lembranas d'outro amor e f perjura

tornaram verde prado em dura serra;
interesse enganoso, amor fingido
fizeram desditosa a fermosura.

Luís Vaz de Camões
[TOMAVA DALIANA POR VINGANÇA]
Voltar