Divina companhia que nos prados
do claro Eurotas ou no Olimpo monte,
ou sobre as margens da Castlia Fonte,
vossos estudos tendes mais sagrados;

pois por destino dos imveis fados
quereis que em vosso nmero me conte
no eterno templo de Belorofonte
ponde em bronze estes versos entalhados:

«Soliso (por que em sculos futuros
se veja da beleza o que merece
quem de sbia doudice a mente inflama),

seus escritos, da sorte j seguros,
a estas aras em ũa mo oferece,
e a alma em outra sua bela dama».

 

Luís Vaz de Camões
[DIVINA COMPANHIA QUE NOS PRADOS]
Voltar