Na rua do volta-atrás
Antes de chegar ao fim,
Encontrei o meu rapaz
E, tem graça, ao mesmo tempo
Ele me encontrou a mim.

Na Rua do Volta-Atrás
As coisas passam-se assim.
Na Rua do Volta-Atrás
Passam coisas do amor.
São coisas que a gente faz...
E fá-las enquanto é tempo
Que depois não tem sabor.
Na Rua do Volta-Atrás
Parar é que tem valor.

Na Rua do Volta-Atrás
A todos que vão seguir...
Mas vêem que a vida faz
Mais sentido a passar tempo
Para quem só quer partir.
Na Rua do Volta-Atrás
Voltei-me para trás a vir.

25 - 11 - 1928

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar